Aspettando la primavera

Bebe, bene, bene, bene, bene. Il giorno oggi è grigio e freddo. Quando è così sembra che l’intero mondo sia fermo. Difficile immaginare che non molto lontano un mondo statico da sempre sta sbriciolando a furor di popolo. O semplicemente che ci sia caldo da qualche parte.

O impossível capitalismo verde

Fiquei curiosa, estou procurando nas livrarias. No meio tempo a tradução da sinopse do livro “L’impossibile capitalismo verde”

Aquecimento climático e as razões do eco-socialismo

Sem nunca ceder ao catastrofismo o livro aborda os aspectos dramáticos das consequências dos abalos climáticos que não estão sendo enfrentados pelas cúpulas internacionais que favorecem o lucro imediato dos grupos industriais no lugar do próprio futuro da humanidade.
Diante desta situação o autor procura responder ao “quebra-cabeça do século”, isto é, como estabilizar o clima satisfazendo ao mesmo tempo o direito legítimo ao desenvolvimento de 1,3 bilhões de pessoas que sofrem com a fome e não têm acesso à água e à energia elétrica. E faz isso com rigor científico e sintetizando grande parte do debate entre o movimento ecologista, demonstrando a impossibilidade de um capitalismo verde e criticando seja as teorias do descrecimento que algumas ambiguidades produtivistas do marxismo.

AUTOR:
Daniel Tanuro é um estudioso ecologista belga, um dos membros de “Climate Change”, muito ativo nas mobilizações internacionais contra o aquecimento global. Os seus artigos têm sido traduzidos em todo o mundo. Este é o seu primeiro livro na Itália.
O prefácio é de Marco Bersani, graduado em Filosofia, chefe do departamento de serviço social municipal. Sócio fundador e membro do conselho nacional de Attac Itália. É um dos promotores do Fórum italiano dos Movimentos pela água e é um dos principais protagonistas da luta referendária pelo retorno ao Estado da gestão da água.

fonte: http://www.ilmegafonoquotidiano.it/libri/limpossibile-capitalismo-verde

autore: Daniel Tanuro
prefazione: Marco Bersani
prezzo: 16.00€
pagine: 224
ISBN: 9788889772447
data uscita:

02/2011

A Amazônia e seus habitantes vítimas da poluição da Chevron serão ressarcidos

de Stella Spinelli

A justiça equatoriana condenou a Chevon a pagar uma multa milionária pelos danos ambientais provocados à Amazônia equatoriana durante os treze anos de perfurações petrolíferas feitas pela Texaco, companhia que a multinacional estadunidense adquiriu em 2001. Uma decisão histórica que ressarcirá anos de sofrimento e doenças, lutas e esperanças de muitas famílias atingidas por este desastre. Descartes de petróleo misturados com produtos químicos venenosos deixados em poços abertos filtraram no solo, absorvendo-o, destruindo plantações e contaminando a vida de muita gente que adoeceu e morreu pelas consequências.
O juiz que proferiu a sentença, Nicolás Zambrano, declarou que a empresa petrolífera deverá pagar 8,646 milhões de dólares por danos ambientais, mais dez por cento pelos danos causados às comunides atingidas. Uma quantia que o combativo advogado Pablo Fajardo ( homem que cresceu com os pés plantados nas poças negras de Sucumbíos. Formado em Direito somente para combater a Texaco, e graças à ajuda moral e econômica da comunidade vítima da multinacional) definiu “irrisória mas significativa” dado que a defesa havia pedido 27 bilhões de dólares. “Nós lutamos juridicamente para que a a Chevron (antes Texaco), responda pelo seu crime e pague para reparar os danos ambientais provocados. É claro que trata-se de uma quantia insignificante comparada ao real crime cometido, um crime ambiental sim mas também cultural e humano.  Resta o fato de que estamos diante de um verdadeiro passo em avante para que  vença a justiça”. Continua a leggere

Il Comitato Pugliese e il Forum dei Movimenti per l’Acqua scrivono a Nichi Vendola

Caro Presidente,

abbiamo ascoltato con attenzione il suo intervento alla trasmissione “Annozero” di giovedì 10 febbraio in merito alla ripubblicizzazione dell’acquedotto pugliese dove lei ha detto che “al trentesimo/quarantesimo giorno di questa legislatura ho fatto la ripubblicizzazione dell’acquedotto come legge del mio governo e l’ho passata nella commissione competente del consiglio regionale”.

Purtroppo, però, come tutti sappiamo, senza l’approvazione del DDL in Consiglio non c’è tecnicamentealcuna legge e la sua affermazione rimane nell’ambito dell’annuncio e non di quanto fatto. Inoltre ha omesso di fornire delle informazioni significative.

Alla storia, infatti, mancava più di un pezzo, ovvero: Continua a leggere

Carta de Michael Moore aos estudantes de Wisconsin

Pescado em Carta Maior. Impressionante non trovare traccia di questa lettera in italiano…

Milhares de servidores públicos unidos a grupos estudantis realizaram protestos sábado (19) em frente ao Capitólio do estado norte-americano do Winsconsin, na cidade de Madison. Foi o quinto dia de manifestações contra um projeto de lei apresentado pelo novo governador, o republicano Scott Walker. O objetivo do projeto é cortar gastos do orçamento estadual através da supressão de direitos trabalhistas em todo o Estado. O suposto equilíbrio das contas do Estado ocorreria com a anulação dos convênios coletivos com os funcionários públicos. Entusiasmado com a mobilização dos estudantes, o cineasta Michael Moore enviou uma carta aberta para eles pedindo que se rebelem. Segue a carta:

Caros Estudantes:

Que inspiração, a de vocês, que se uniram aos milhares de estudantes das escolas de Wisconsin e saíram andando das salas de aula há quatro dias e agora estão ocupando o prédio do State Capitol e arredores, em Madison, exigindo que o governador pare de assaltar os professores e outros funcionários públicos ! Continua a leggere

Mediterraneo. Reazione a catena – la cronologia

A breve la traduzione in portoghese

Mediterraneo. Reazione a catena – la cronologia
fonte: http://it.peacereporter.net/articolo/26558/Mediterraneo.+Reazione+a+catena+-+la+cronologia
a cura di Alberto Tundo

Dal suicidio di Mohammed Buoazizi, che si è dato fuoco per protesta in Tunisia e da cui tutto è cominciato, fino ai cortei egiziani contro Mubarak: questi gli eventi principali

21 febbraio, Libia: caos a Tripoli. La folla assalta i palazzi del potere. Secondo Al Jazeera sole nella capitale si contano 250 morti, oltre 300 a Bengasi. Il Colonnello ordina alle truppe che gli sono rimaste fedeli di sparare senza pietà. Il regime impiega addirittura caccia per bombardare i dimostranti. Quattro piloti decidono di disertare e atterrano a Malta, chiedendo asilo politico. Altri fuggono a Bengasi, città in mano agli insorti, spiegando di essersi rifiutati di sparare sulla popolazione. Voci circa un ammutinamento dell’esercito si rincorrono per tutto il pomeriggio. Un colpo di stato ad opera dei militari viene dato per imminente; secondo altre fonti il capo delle Forze Armate libiche, il Colonnello Abu-Bakr Yunis Jaber sarebbe stato arrestato. Il regime comunque perde pezzi: si dimette il ministro della Giustizia, Mustafa Mohamed Abud el Jaleil, in polemica con il governo per l’uso eccessivo della forza. Il Segretario generale della Lega Araba Amr Moussa si appella a Gheddafi perché cessi la repressione. Contro il leader libico si schiera anche il Viceambasciatore di Tripoli presso le Nazioni Unite, Ibrahm Dabbashi, il quale chiede l’intervento internazionale per fermare “un genocidio”. In serata il Colonnello appare in televisione per smentire di essere fuggito in Venezuela. Marocco: manifestazioni a Rabat, la capitale, ma anche a Casablanca. A Fez si sono raccolte tremila persone in un corteo di protesta pacifico. Cinque cadaveri sono stati trovati in una banca data alle fiamme ad al-Holceimas, dove si sono verificati scontri violenti. Continua a leggere

Conversa entre pai e filho aqui em casa

– Não te incomoda que teu pai seja um intelectual pobre, né? –
– Papai, não diga isso, voce não é um intelectual…
__
Chiacchierata tra padre e figlio qui a casa:
– Non ti dà fastidio un padre intellettuale povero, giusto?
– Ma no, papà. Non sei un intellettuale.